Nossas Plantas e o Problema Global de Resíduos

O mundo tem um grande problema com o lixo: anualmente são produzidos dois bilhões de toneladas de resíduos em todo o mundo. Até o ano 2050, o banco mundial espera um aumento adicional de 70 por cento. Aqui se destacam, em especial, os resíduos plásticos. Até agora foram produzidos bem mais de seis bilhões de toneladas em todo o mundo. Isto corresponde ao peso estimado de aproximadamente um bilhão de elefantes adultos.

Efeitos sobre o meio ambiente

A maior parte destes resíduos plásticos não foi enviada para aterros sanitários, muito menos reciclada. Esses resíduos plásticos acabaram na natureza, onde só gradualmente se decompõem ao longo de períodos de tempo muito longos. Ainda assim, continuam poluindo solos e águas na forma de microplásticos. Além disso, os aterros sanitários e a incineração de resíduos produzem emissões gigantes de gases de efeito estufa, sobrecarregando enormemente o nosso clima. Isto significa: urge desenvolver uma economia circular funcional. A demanda pela reciclagem é enorme – e em um grau muito maior do que até agora.

Tecnologia de separação de ponta e componentes individuais excepcionais são indispensáveis para uma reciclagem eficiente

A qualidade da reciclagem depende muito da pureza do material usado, em especial no caso dos plásticos. E é exatamente aqui que a STADLER entra com o seu know-how e a sua experiência.

As nossas plantas de triagem contribuem de forma importante com a transformação da política de aterramento sanitário em uma economia circular. E o potencial de economia de emissões de gases de efeito estufa também é de uma ordem de grandeza considerável: cada tonelada de plástico reciclado, usado ao invés de plástico novo, economiza entre 1,5 e 3,2 toneladas de gás de efeito estufa.

Isso significa que uma planta da STADLER, que anualmente classifica 100.000 toneladas de plástico com alto grau de pureza, contribui para evitar a emissão de 150.000 a 320.000 toneladas de gases de efeito estufa por ano. Este valor corresponde às emissões médias anuais desses gases de 16.000 a 36.000 pessoas na Alemanha.